Entrevista: Juliana Daglio

    Olá gente! Hoje venho com uma entrevista, e a primeira do blog pelo que me lembro. A entrevistada da vez é a autora parceira Juliana Daglio.

MPE:  Como você se sente com a possibilidade de seu livro ser publicado em outros países? Você esperava por isso?

JD: Me sinto ansiosa, e muito realizada. Acho que a ficha só vai cair quando eu pegar o exemplar traduzidinho nas mãos, mas era algo que eu não esperava mesmo! Recebi a notícia e foi como se tivesse sonhando.

MPE: Trata-se de uma ficção, porém o assunto depressão é abordado com exímia, tratando da sua profissão, você inspirou-se em algum paciente?

JD: Não. Jamais me inspirei em nenhum paciente, e acho que nunca o farei. Separo minha prática profissional em psicologia, da prática em clínica. Meus pacientes são sagrados, e meus personagens surgem de minhas percepções à cerca de sentimentos que eu tenho, e que percebo ao meu redor em pessoal da família, amigos e outros.


MPE: Como surgiu a ideia do titulo do livro?

JD: Antes do título final o livro se chamava “A Menina que Queria ser uma Libélula”. A questão da Libélula para mim era essencial, pois ela sempre funcionou como uma metáfora de tudo que eu enxergava na vida: beleza, transcendência, superação e liberdade. Depois de estudar bem o título, percebi que ele se aproximava muito de outros títulos do mercado, além de ser muito abrangente. Como a Canção que a Vanessa compôs quando pequena era uma das peças centrais da trama, inseri no título, dando assim a cartada final para o mesmo.

MPE: Quanto tempo levou para concluir o livro? Como foi esse processo?

JD: Uma Canção eu demorei 3 anos. Tive que reescrever várias vezes, e mudei muita coisa ao longo do processo. Apesar de muito trabalhoso, quando senti que ele estava pronto, nem sei dizer o tamanho da minha felicidade. Mas acredito que um livro precise ser bem lapidado antes de ir pra publicação.

MPE: Surgirá um romance na continuação do livro?

JD: Hmmmm suspenseee!!! Olha, se eu contar, meu editor me mata! HaUHAUhauHU
Mas podem esperar o surgimento de um personagem muito impactante, que pode abalar o coração das moças.



MPE: Por que dividir o livro, Uma Canção Para a Libélula, em partes?

JD: O original inicial era muito grande! A história passa por várias reviravoltas e compunha um conjunto de palavras que resultaria num livro de 800 ´páginas. A divisão foi para melhorar a fluidez do leitor, e preparar o coração de todos para a segunda parte da história.

MPE: Deixe uma mensagem para os leitores que desejam ler seu livro.

JD: Eu fico imensamente feliz somente com a oportunidade de falar com pouquinho com vocês! É uma honra estar aqui, pois também sou blogueira e sei o quanto esse grupo tem colaborado para a literatura nacional. Amo demaaaais meus blogueiros amigos. :D
E quem se interessar pela obra, quero dizer que pode ter certeza que estará adquirindo algo escrito com todo o coração e alma de uma escritora que quer passar uma mensagem de vida, amor e liberdade. Gostaria de tocar o coração das pessoas, e mesmo se não conseguir, serei grata pela oportunidade.

    
    É isso gente, espero que tenham gostado da primeira entrevista aqui do blog :D

Comentários

  1. Muito legal esse post!
    Não conhecia a autora e nem os livros,
    mas achei interessante saber mais sobre ela, e quem sabe ler o livro dela?
    bjus
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você tiver a oportunidade de ler, leia! Não vai se arrepender :D

      Excluir
  2. Muito boa essa entrevista. A pergunta número 2 foi a que eu achei mais interessante e que me fez sentir vontade de ler o livro. :D

    ResponderExcluir

Postar um comentário