Resenha: Churumela E O Amuleto De Belizar

    Título: Churumela e o Amuleto de Belizar
    Autora: Elaina Souza
    Páginas: 438
    Editora: Dracaena
    
    Sinopse:

    — Ei, Chu. Pediram-me para fazer uma sinopse de sua história para colocar na orelha do livro.

    —  Orelha? Elaine, você devia falar dos meus olhos violetas e não da minha orelha.
    — Não é a esse tipo de orelha que estou me referindo... Ah, esquece!!! Acho que vou começar assim: Churumela é uma adolescente de quinze anos, que trabalha como garçonete na Delícias da Carne desde a morte de seu pai. Nunca conheceu sua mãe e...
    — Pode parar! Coisa mais chata! Por que não pula para a parte que minha vida muda completamente ao ganhar, dias antes de meu aniversário de dezesseis anos, um espelho rachado e uma folha em branco?
    — Mas aí eu teria que contar sobre Bakía, os Falgoses e suas tranças brancas, as Princhis e suas mágicas, os Mandras e suas espadas, os Magôs e seus doze dedos, as colinas Criskas... Churumela, suas aventuras são de deixar qualquer um de orelha em pé!
    — De novo esse papo de orelha?
    — Por onde devo começar?
    — Você, eu não sei. Mas você, LEITOR, que tal começar pela primeira página?


"Olhei diretamente para o espelho rachado. Mas, pra minha surpresa, 
não foi minha imagem que vi. O espelho refletia todas as 
orquídeas do orquidário. Todas, sem exceção." 


    O livro é retratado em primeira pessoa, e de uma forma diferente, porque a protagonista conversa comigo, em dado momento ela me faz perguntas, e isso eu achei muito legal, porque é como se eu fosse um personagem do livro. Outra coisa que achei muito interessante e gostei muito foi o fato de a personagem saber que está em um livro.

"Quantas mudanças já sofreu, leitor? Deixe-me investigar: já mudou de bairro? Trocou de colégio? O cabelo conheceu outro corte ou cor? Suas ideias se tornaram mais ou menos flexíveis? Namorou? Casou? Levou um chute no traseiro: Entrou na faculdade? Trocou a carne pela alface?Prefere praia à serra ou serra à praia? Estamos juntos há trinta e um capítulos e não si nada sobre você."

    A autora também criou as castas e cada uma pertence á um elemento, assim como os reinos. O que eu mais gostei foi que a autora inventou lugares, como a Árvore Branca, Lago Rosa, o Deserto de Nadin, o castelo de Largus, Lago Claro. Ela também inventou instrumentos como grimchelo e o fencelato.

Curiosidade I

Após três dias de uma desilusão amorosa, a autora decidiu que as palavras seriam suas confidentes, a literatura seria a terapia e que ela escreveria seu próprio Conto de Fadas, sem clichês. A partir daí ela começou a escrever a história de Churumela. 


"Um Mandra gordinho tocou um instrumento de som estridente semelhante a duas cornetas grudadas na forma de um caracol. Era o tal do grimchelo de que Eduardo falara! Aquele era o aviso! Foi dada a largada!"

    No livro é falado muito sobre as orquídeas, principalmente das violetas. Elas são como o símbolo de Bakía. Segundo a autoras as orquídeas representam características da Churumela. "Parecem frágeis, no entanto, são capazes de sobreviver com poucos recursos e cuidados. Elas ilustram a força escondida por trás da singeleza e doçura de Churumela." diz a autora.

"O portão amarelo só abrirá com o metal que o imita". O portal é o pé de acácia amarela e a chave de que tanto já ouvi falar é a minha corrente que é de ouro amarelo também. Mas onde estaria a fechadura? Todo portal tem uma, não é mesmo? Olhei novamente pra o espelho rachado e nele podia ver a orquídea que minha mãe tinha plantado no tronca da árvore. Retirei a orquídea do tronco e, como suspeitei, havia uma fechadura atrás dela."

    Em Bakía eles falam Bako, a língua do lugar. E existem frases nessa língua, são muito usados pelas Princhis, que é uma das castas. Creio que seja Latim, eu não perguntei à autora, mas o Google Tradutor diz ser. Só resta a confirmação da criadora da história. É uma fantasia bem elaborada que não chega a ser clichê. Sei que muitos devem estar achando o nome Churumela estranho, acreditem, até a protagonista não gostava muito, imaginem então quando começaram a chama-la de Lizka.

Curiosidade II

Um amigo da autores tinha um cogumelo Mush vermelho, e ele o nomeou de Shurumella. A autora gostei e achou com boa sonoridade, sendo assim, ela simplificou e temos a Churumela.

"Aritza pegou um punhado de pozinho dourado, guardado na bolsa que tinha amarrada na cintura, e deu um sopro em direção à coluna de pedra sobre a qual não havia nada, dizendo algumas palavras:
— VENTARE ATNUM!"

    A capa do livro é muito bonita, com a protagonista e algumas orquídeas, fora alguns detalhes. As folhas são amareladas e as letras no tamanho ideal, feitiços em letras maiúsculas e sonhos em uma letra diferenciada. Os capítulos são pequenos, o que eu gostei e os títulos de um jeito diferente. Alguns capítulos são divididos em duas partes, o que não é problema. Alguns erros de revisão foram encontrados, mas nada que atrapalhe a leitura. Um livro recomendado para todos que gostam do estilo. 

NOTA


PS: A autora estará na Bienal de SP dia 28 de Agosto às 17:00 autografando.


    

Comentários

  1. Pareceu interessante. Gosto dessa coisa de elementos, que tem poder e tal

    minhasprimeirasimpressoes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bom?!

    Já tinha visto esse livro, fiquei bem interessada. O nome é bem chamativo! Gostei bastante!

    Beijos, Rob
    http://estantedarob.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Felipe, tudo bem? Nossa, já tinha visto esse livro antes e me interessei e agora, depois da sua resenha, eu quero ainda mais. Para começar, já adorei a sinopse. Acho bem legal esses livros em que a personagem sabe que está no livro e conversa com o leitor. Além disso, todo o universo criado pela autora parece bem interessante.

    Adorei a resenha e as curiosidades!!

    Beijinhos,

    Rafaella Lima
    Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  4. Adoreia a resenha e estou doido para o meu livro chegar.Realmente parece ser bem divertido o livro.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Adorei a resenha Lipe, e gostei como está agora... Parabéns!!

    ResponderExcluir
  6. Eu já li esse livro e me apaixonei por ele, na verdade eu já estava apaixonada por ele antes mesmo de receber, pois a autora postou uma foto do kit que ela ia me mandar e eu adorei, ai quando o livro chegou eu "devorei" ele, é muito bom, uma história bem bacana e diferente, super recomendo o/ Enfim, adorei sua resenha, ficou ótima e fico feliz ao ver que você também gostou do livro :3

    Beijos :*
    Larissa - Srta. Bookaholic

    ResponderExcluir
  7. Hahahah que legal! Parece ser um livro bem curioso. Confesso que sempre acheie meio cômico o título "Churumela" por causa de uma piada interna da minha escola que não tem nada a ver com livro. Agora que entendi acho que não vou achar mais tão estranho. Mas gostei muito da sua resenha!

    ResponderExcluir
  8. Eu ri demais do título do livro, porque minha avó fala Xurumela para bobagem, chatice, e coisas afins.... A autora tirou a inspiração de algo completamente diferente da palavra em português com igual sonoridade.

    E esta personagem faceira!!! Não conheço o trabalho da autora, mas pela resenha e sua visão geral do livro parece ser uma leitura boa o suficiente para te fazer querer conhecer o começo, meios e o fim.

    A única coisa que definitivamente não me atraiu foi a capa, achei feia!!!


    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Eu estou lendo esse livro e estou adorando muito
    Adorei a resenha, parabéns

    Beijos
    http://www.sacudindoaspalavras.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário